Lartigue inventou o melhor de Búzios

In Búzios, Cultura, Uncategorized por Eva LartigueDeixe um comentário

Por Mark Zussman

6a63f736dc4f21d4b8939a5f2dbcfe10f6ba048aNa semana passada, não dava para pensar em outra coisa se não nos atentados em Paris. Mas acabo de reler, finalmente, minha matéria no Perú, da semana anterior, sobre Marcelo Lartigue, o fundador deste jornal. Estou falando da matéria em que eu disse que o Macelo sempre era o personagem mais interessante em suas próprias páginas e também – como boêmio, como anarquista, como equilibrista financeiro, como promotor incansável do Perú e de Búzios, como estrangeiro argentino ainda e sempre em conflito com a língua portuguesa – provavelmente o personagem mais representativo da nossa cidade. Mas ocorreu-me, enquanto eu relia, que o personagem de Marcelo não era o único que o Marcelo criou nas páginas do Perú. Criou também o repórter investigativo Muchacho Bicho Doido, o Cabelada, o Capitão Caverna, a Drika de bolsa cheia, a socialaite Angela Barroso. Até o Sandro e o Mohamed Hamber são em grande medida criações do Marcelo. É óbvio que um personagem tão absurdo como o Rui não poderia existir na realidade. O Rui também deve ser uma criação do Marcelo e comecei a pensar que os gêmeos Mirinho e Toninho – para os anglófonos, os nossos Tweedledee e Tweedledum – também são criações do Marcelo. Resta a possibilidade de que todos nós, nós os moradores deste balneário ao mesmo tempo ridículo e fabuloso, não existiríamos se não tivéssemos saído da fértil imaginação editorial do nosso grande e saudoso Marcelo.

Deixe um Comentário