Macaé – De princesinha do Atlântico à capital do petróleo

In Brasil, Macaé, Rio de Janeiro por Eva LartigueDeixe um comentário

Foto: Raul SIlvestre

Foto: Raul SIlvestre

Macaé celebra no dia 29 o aniversário de 201 anos de fundação da Vila de São João de Macaé, em 1813. O município, estabelecido apenas em 25 de janeiro de 1814, estava longe de ser a atual “Capital Nacional do Petróleo”, mas já tinha uma característica que permanece até os dias de hoje: a sedução de migrantes e imigrantes para o trabalho e prosperidade.

Segundo a história, com a expulsão dos jesuítas, em 1795, por ordem do Marquês de Pombal, a localidade recebeu novos imigrantes vindos de Cabo Frio e de Campos para ocupar as terras já apaziguadas. O povoado progrediu, surgiram novas fazendas e engenhos.

Banhada pelo Oceano Atlântico, Macaé acabou sendo batizada carinhosamente como a “Princesinha do Atlântico”. O município tem uma área total de 1.216 quilômetros quadrados, correspondentes a 12,5% da área da Região Norte Fluminense. A cidade está dividida em seis distritos – Sede, Cachoeiros de Macaé, Córrego do Ouro, Glicério, Frade e Sana.

Atualmente, a expansão petrolífera faz com que a cidade de Macaé continue recebendo, a cada ano, centenas de trabalhadores ligados aos ramos offshore e onshore. No último censo publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Macaé possuía 206.728 habitantes, mas há quem diga que esse número foi superado e com folga por conta da chegada de novos trabalhadores na cidade. E essa especulação fez com que o mesmo IBGE projetasse para o 2012 a população macaense em 217.951 pessoas.

De qualquer ponto dos 23 quilômetros de litoral é possível visualizar uma embarcação envolvida na exploração de petróleo que, até o ano de 2011, possuía 276 indústrias ligadas ao segmento offshore. Por conta do destaque na produção petrolífera a cidade abriga a terceira maior feira do segmento do mundo a cada dois anos.

Deixe um Comentário