Parei a obra! – Atriz Alexia Deschamps paralisa as obras de demolição em Búzios

In Brasil, Búzios, Noticia_marcante, Noticias, Rio de Janeiro por Eva LartigueDeixe um comentário

“Ninguém mexe mais aqui até que o proprietário da obra que causou essa demolição se responsabilize”

DSC07074

(Texto e fotos de Victor Viana)

A atriz Alexia Deschamps, junto com outros proprietários de casas demolidas essa semana em Búzios, acabaram de parar as obras de demolição e só sairão do local quando o proprietário do Condomínio Vale das Emas – acusado de ser o responsável pelo que ocasionou a condenação das casas pela defesa civil – procura-los para que se discuta o que será feito em relação ao caso daqui em diante.

Neste sábado (26) foram suspensas as obras  no terreno onde desde terça-feira (22) estão sendo demolidos os imóveis condenados pela Defesa Civil no dia 13 .

Além da Atriz Alexia Deschamps estão outros dois proprietários de imóveis que foram demolidos, o Sr. Jorge Tenório de Oliveira (Jorginho) e a Sra. Giracene Quintanilha (Cene), todos responsabilizam o proprietário do  Condomínio Vale das Emas, Sr. Ivaldo Fonte Barbosa, acima dos imóveis demolidos,  pelo prejuízo.

DSC07067” Nós em nenhum momento nos opomos a demolição de nossos imóveis porque sabíamos que era um caso emergencial, era correto que se fizesse isso para que um mal maior, como a perda de uma vida humana, acontecesse. Mas agora que a situação já está mais estabilizada é preciso que fique claro quem é o responsável por isso tudo. Queremos que ele, que sumiu – nem seu advogado fala mais com a gente –  venha se responsabilizar pelos danos que a obra irregular dele causou”, disse  a Alexia  na manhã chuvosa de hoje em Búzios.

Outro proprietário, o Jorginho, conta que  o Condomínio Vale das Emas está sobre Topo de Morro – que inclusive foi desmatado e cortado – o que é proibido por lei.

DSC07070“Desde 2004 o proprietário do Condomínio Vale das Emas começou a encharcar o terreno com as águas do telhado, porque não as direcionou de forma que viessem para a rua. Depois fez um sumidouro e uma fossa enorme, o  que com certeza agravou ainda mais a situação que acabou levando a esse desastre que atingiu a mim e meus vizinhos. Eu questionei com ele várias vezes e ele me dizia que fez tudo certo. A  água que acumulava no terreno dele escorria há anos com chuva ou sol, tenho foto e vídeos disso tudo.”,  contou indignado  Jorginho, que tem sua propriedade no local desde 1983.

Segundo os proprietários e outros moradores do entorno sempre houve construções no local das  propriedades demolidas e nunca houve nenhum risco de desabamento, os problemas teriam surgido em 2004  com a interferência no topo do morro para a construção do condomínio e se agravado em 2007 quando começaram a construção de um segundo bloco desta propriedade.

Dona Cene- uma das que tiveram parte de sua casa demolida, nascida em Búzios, teve que sair da propriedade da família no local  em 2009 por determinação da Defesa Civil que condenou a construção que, segundo Dona Cene, foi prejudicada pelas obras do Parque das Emas.

DSC07071“Só eu tenho 60 anos, mas meus pais moraram nesse local desde sempre. Quando esse condomínio de cima foi construído  passou a descer uma água que entrava pela cozinha de nossa casa. Minha mãe cozinhava  com água no meio da perna como se estivesse em uma piscina.  Fui até ao Sr. Ivaldo e ele me disse que procurasse a justiça, procurei mas o processo corre até hoje. O pior de tudo isso é que minha mãe, que tinha 83 anos, morreu de desgosto por ter que sair da casa em que viveu a vida toda e que, antes do condomínio ser construído, nunca teve risco de desabar”,  disse Dona Cene, de 60 anos, em um depoimento emocionado.

Os três proprietários afirmam saber que a prefeitura também tem responsabilidade sobre o que está acontecendo, mas  elogiam a atual gestão que, segundo eles, agiu com rapidez para evitar um mal maior.

“O advogado do proprietário do condomínio chegou a  me dizer que tínhamos que  mover uma ação contra o município, isso é um absurdo.  Estamos cientes de que quem nos deve agora uma indenização é o setor privado, o dono dessa obra que ocasionou a condenação de nossas casas e lojas e está demolição. Esse é o nosso patrimônio de uma vida inteira, vivemos dos alugueis e não sabemos como ficaremos agora. As obras continuarão paradas até que o Ivaldo nos procure para nos dar uma posição sobre como ficará a nossa situação”, finalizou Alexia, que já esteve internada  devido a uma crise por conta da situação.

A Land Terraplanagem LTDA, empresa responsável pela demolição, acatou o pedido dos proprietários e paralisou as obras até que o caso se resolva. Segundo o advogado da atriz só uma ação judicial poderia obriga-la a permitir a continuação das obras em sua propriedade.  Mesmo os imoveis que nãos corriam risco de desabamento foram demolidos para que uma entrada de acesso para as maquinas fosse criada e as obras de contenção pudessem acontecer.

 

Mais informações daqui a alguns minutos 

Deixe um Comentário