Quem diria!

In 33 anos do Perú Molhado por Eva LartigueDeixe um comentário

Anibal (3)

Por Aníbal Fernando

Confesso que sempre imaginei que o Marcelo morreria antes de mim. Apostava até mesmo que o Cláudio Kuck viveria mais que esse argentino escroto. Desde que conheço este gordo filho da puta ele é todo fodido de saúde. E no entanto ele continua vivo e hoje, certamente rindo de mim por ter aguentado ele e o Perú Molhado por tanto tempo. Verdade que fiz muitas besteiras assim que nossa sociedade acabou. Passei a beber ainda mais, a fumar ainda mais e para piorar a situação me juntei ao Dr. Ruy Borba no jornal Primeira Hora. Não deu outra: morri sozinho e fodido enquanto o Marcelo seguia em frente. Os erros foram todos meus, admito.

Nem o diabo (é amigos, estou no inferno) entendeu minha união ao Dr. Ruy.

-Você é muito corajoso, portuga. Eu que sou o capeta me cago de medo do Rui-, declarou satanás meio sem graça numa sessão de tortura outro dia. Mas voltando ao Marcelo e o Perú, é realmente impressionante que o jornal tenha sobrevivido por mais de três décadas. Mas como bem disse outro dia o Isac Tillinger, qualquer empresa que não tenha fins lucrativos, é fácil sobreviver. Eu e Marcelo criamos o Perú Molhado nos anos 80 para sobreviver. Ganhar uma graninha para fazer o mercado, pagar o aluguel e viver em Búzios – a maior riqueza na verdade. Jamais acreditei que a ideia durasse tanto tempo.

Sei que hoje o Perú não é mais o mesmo. Está parecendo a Revista Caras. Nas últimas três edições, o jornal falou apenas de si mesmo, do Marcelo e da Alessandra. Pouco disse da cidade. Não deu nenhuma notícia importante. Mas sempre foi assim. Para Marcelo, no mês de aniversário do Perú, apenas o jornal é importante. Mesmo assim o Perú continua sendo o melhor jornal de Búzios. E tenho muito orgulho de ter sido seu fundador. Se é verdade que o Perú mudou, o mesmo pode-se dizer da cidade. Búzios está cada dia mais careta. Soube que querem processar o Cabelada por ter dito umas verdades. Calma, gente! O Cabelada é um personagem e nada que um personagem fale pode ser levado a sério. Por mais verdade que seja. Tudo bem: quem quiser que vista a carapuça.

Outro dia conversando com Umberto Modiano via Skype (ele está no lado bom), perguntei se ele nunca se arrependeu de ter investido tanta grana no Perú, se não havia se arrependido de ter dado tanto apoio ao Marcelo. Ele disse que não e ainda por cima me deu uma bronca.
– Aníbal, você é mesmo um portuguesinho idiota. Eu é quem deveria agradecer ao Marcelo por ter me trazido tantos sonhos para minha vida. Sempre tive que fazer tudo certo nas minhas empresas, agir dentro da Lei, etc. No entanto com o Marcelo, com o Perú, podia sonhar com coisas impossíveis, dava para ser um pouco irresponsável. Era tudo brincadeira.
Vivíamos numa Búzios de sonhos e nunca gastei tanta grana assim.

Neste momento a ligação caiu. Não sei se o Umberto desligou ou não…

Gostaria de escrever mais vezes. Infelizmente a internet aqui em baixo custa uma fortuna. Poderia mandar meus textos em mãos, mas nunca soube de alguém que saiu daqui para Búzios. Soube que têm muita gente chegando. Mas são quase todos evangélicos e essa raça nunca foi com minha cara. Tô doido para ver o Marcelo desencarnar. Sei que estávamos meios que brigados, mas assim que ele baixar aqui, vou lhe dar um abraço bem apertado. Quero voltar a ser seu amigo. Tenho andado solitário nos últimos tempos. Não tem nada para ler aqui. Só os livros do Paulo Coelho. Também não tenho com quem conversar. Somente o Goebbels tenta falar comigo. Mas aquele filho da puta só fala alemão e eu não entendo porra nenhuma.

Deixe um Comentário