Teve Copa, vai ter Olimpíadas?

In Brasil, Esportes, Rio de Janeiro por Eva LartigueDeixe um comentário

NT-20-05-2014-guanabara001O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, afirmou no mês passado que não será possível limpar a Baía de Guanabara até 2016, quando o local receberá as competições de vela durante as Olimpíadas. O Brasil havia assumido o compromisso de reduzir a poluição da baía em 80% até o evento.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, Paes lamentou a oportunidade perdida, mas disse que a poluição não representa um risco para a saúde dos atletas. Segundo ele, as provas ocorrerão em partes menos poluídas da Guanabara.

Questionado se o governo seria moralmente ou legalmente responsável caso atletas ficassem doentes, ele respondeu: “Claro, eu acho que é nossa responsabilidade.”

Velejadores olímpicos que visitaram o Rio de Janeiro descreveram a baía como um esgoto a céu aberto, como reportou recentemente o jornal americano The New York Times.

O governo do Estado do Rio de Janeiro é o principal responsável pela despoluição e tratamento de esgoto. Em nota enviada à BBC Brasil em maio, a Secretaria estadual do Ambiente havia dito que o governo conseguiria cumprir o objetivo estabelecido para as Olimpíadas.

O Rio tem uma população de cerca de 10 milhões de pessoas e milhões de litros de esgoto sem tratamento são despejados na baía todos os dias. A maioria das pessoas evita se banhar nas praias poluídas no interior da baía.

“O lugar mais sujo que já treinei”
Nico Delle Karth, velejador austríaco se preparando para as Olimpíadas de Verão de 2016, declarou que a Baía de Guanabara era o lugar mais sujo no qual ele já havia treinado.

Experiência
A poluição da Baía de Guanabara com certeza será uma vergonha para o país, mas em questão de organização é possível que o Brasil se saia bem depois da sequência de dois grandes eventos mundiais, a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) com o Papa e a Copa do Mundo.

Deixe um Comentário